Sustentabilidade

- O EPS é 100% reciclável e reaproveitável.
- O EPS não destrói a camada de ozônio, pois não utiliza CFC’s e HCFC’s.
- O EPS não contamina solo, ar ou água.
- Fungos e bactérias não atacam o EPS.
- A moldagem do EPS consome pouca energia e não gera resíduos.
- O EPS não contamina alimentos e atende a todas legislações internacionais de saúde.
- O uso do EPS como isolante térmico representa grande economia de energia no aquecimento ou resfriamento de ambientes.
- EPS representa apenas 0,1% do lixo.

Para reciclar, o isopor deve estar limpo e separado de partes metálicas, de papel ou adesivos. No processo, é triturado e reduzido mecanicamente para formar pérolas (pequenas bolinhas). Após o aquecimento dos flocos em sistemas de extrusão, o ar é liberado e eles são fundidos. A máscara viscosa que é formada dá origem a objetos como clipes de papel, interruptores, caixas, jogos, materiais de escritório e muito mais.

Transformação:

Depois de limpo, o isopor é encaminhado para a ProEcologic, única recicladora totalmente dedicada ao EPS no Brasil. Há um ano e meio no mercado, a empresa desenvolveu uma tecnologia que retira o oxigênio do material, diminuindo seu volume. "Nos baseamos em uma tecnologia coreana para desenvolver uma máquina portátil, de apenas um metro quadrado, que viabiliza o transporte e o armazenamento do isopor", afirma Daniel Cardoso Fernandes, gerente de produção da empresa.

Sem oxigênio, o EPS passa a ser uma massa compacta, que depois é novamente transformada em grãos e encaminhada para a fabricação dos mais diferentes produtos, como rodapés, molduras, porta-retratos, cabides e réguas.

Rodapés feitos com isopor reciclado: beleza e sustentabilidade

A sustentabilidade na construção civil e nos projetos de interiores ganha adeptos no mundo todo. O lançamento de produtos ecologicamente corretos segue esta tendência. Um dos exemplos é a utilização do isopor reciclado na produção de perfis, rodapés e acabamentos em EPS (poliestireno extrusado). O material substitui a madeira com muita elegância e qualidade, com a vantagem de que se for colocado em contato com a água não estufa ou sofre qualquer alteração.

"É fundamental conscientizar a população de que o isopor não é um produto poluente e que existem soluções fáceis para seu reaproveitamento".